Copyright 2006-2019

 

R.E.R. - Gestão, Marketing e Sustentabilidade - Todos os direitos reservados. ATENÇÃO: Este site tem, também, o propósito de reunir pensadores, pensamentos, conheci-mentos e experiências. Caso discorde de alguma publicação neste compên-dio, gentileza enviar e-mail que iremos retirar imediatamente seu link, citação ou conteúdo.

Cursos direcionados às empresas

aplicação do conteúdo in company

A Rede Empresa Responsável® ajuda micro, pequenas, médias e grandes empresas privadas; órgãos públicos e organizações do terceiro setor a diagnosticar e implantar processos e procedimentos com o propósito de REDUZIR, REUSAR E RECICLAR produtos e materiais. A organização conquista, em média, 40% de redução nos gastos, significando ganhos econômicos; estabelece parcerias com o propósito de gerar ganhos sociais e alcança uma gestão baseada no desenvolvimento sustentável.

 

FASE 1 - Programa de conscientização e destinação correta de inservíveis – curso de capacitação, diagnóstico e prognóstico – Funcionários como agentes da mudança

 

Uma das grandes dificuldades no que se refere ao desenvolvimento sustentável é alcançar a efetiva mudança de comportamento daqueles que estarão envolvidos com o dia-a-dia da organização. A base, porém para essa mudança de comportamento envolve três fases: A INFORMAÇÃO, alcançada pela Educação Ambiental, a SENSIBILIZAÇÃO advinda da compreensão da gravidade e conseqüências do descaso com o meio ambiente, e a MUDANÇA DE COMPORTAMENTO, que se dá quando os envolvidos no processo assumem, como co-autores, o planejamento, desenvolvimento, controle e avaliação das ações da organização que levarão ao desenvolvimento sustentável.

 

Necessário se faz capacitar os funcionários das organizações, trazendo-lhes um olhar crítico em relação às inúmeras possibilidades de atuação no dia-a-dia profissional que venham a refletir em melhor qualidade de vida das futuras gerações. Esta capacitação, incluir a busca por alternativas criativas com o objetivo de minimizar o impacto negativo ao meio ambiente, o que inclui REDUZIR, REUSAR E RECICLAR.

 

É sabido que a mudança de hábitos não ocorre pela simples imposição da alta-direção aos funcionários. Estes precisam sentir-se co-participantes do processo de melhoria das condições de vida do planeta, compreendendo os ganhos econômicos, mas, sobretudo, os sociais e os ambientais decorrentes da mudança de comportamento.

Carga horária: 16 horas/aulas

 

Metodologia – aulas in-company:

 

  • Aulas prático/teóricas sempre com a utilização de recursos multimídia como data-show, DVD e internet objetivando sensibilizar os alunos sobre as condições ambientais do planeta.

  • Projeção de filmetes ampliando o conhecimento dos alunos quanto à matéria-prima e atual destinação dos resíduos.

  • Estudos de caso e diálogos sobre as possibilidades de reciclagem pela logística reversa de papel, plástico rígido, pet, aço, alumínio e outros.

  • Participação de um membro de cooperativa de catadores, com depoimentos sobre seu trabalho.

  • Início do diagnóstico com introdução dos projetos – conteúdo teórico aplicado em estudo de caso real da organização.

Currículo da professora: Joana d’Arc Bicalho Félix

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

FASE 2 – DIAGNÓSTICO

 

O propósito é gerar uma gestão eco-eficiente, que avalia os insumos naturais utilizados para fluência daquela organização. Avalia os resíduos gerados durante o processo; os procedimentos ora estabelecidos e se os mesmos despendem desnecessariamente excesso de energia na linha de produção avaliando a possibilidade de novas propostas. Avalia, também, como esta organização devolve para a natureza os inservíveis, propondo novas soluções.

 

Nesta fase estudam-se os INPUT’s, entradas de materiais, seus PROCESSOS e PROCEDIMENTOS, e os OUTPUT’s (saídas de resíduos sólidos).

 

A proposta é minimizar as entradas, trazer a gestão eco-eficiente para os processos, e minimizar os outputs estabelecendo o abastecimento por sistemas: uma organização alimentando outra organização (que pode ser uma ONG, uma OSCIP, Cooperativa) com matéria-prima secundária, atitude que gera renda e inclusão social.

 

Este diagnóstico é realizado envolvendo o corpo de funcionários que elabora as propostas se sentindo co-autores e comprometidos com os resultados.

 

Produto gerado: Levantamento dos INPUTS, PROCESSOS E OUTPUTS.

 

Prazo de realização: 2 meses

 

 

 

FASE 3 – MUDANÇA DE COMPORTAMENTO e SELO DE SÓCIO: MATÉRIA PRIMA – REDE EMPRESA RESPONSÁVEL

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

                              Banner entregue à empresa após instituídos procedimentos e processos de logística reversa. Revisão de procedimento semestral.

 

Após as fases de sensibilização e diagnóstico, é hora de estimular a aplicação dos 3R’s: REDUZIR o uso de produtos e materiais; REUSAR prolongando a vida do produto ou subproduto e RECICLAR, considerando a logística reversa. Esta exige o estabelecimento de novos canais de distribuição reversa dos resíduos descartados, seja para mercados primários como exemplo as latas de alumínio que serão recicladas e transformadas em novas embalagens de alumínio, ou secundárias como exemplo as garrafas PET que se transformam em poltronas. A proposta é minimizar o uso de produtos e recursos naturais nos processos, procedimentos e descartes, capitalizando em ganhos econômicos e de gestão eco-eficiente.

 

Serão definidos por cada grupo de funcionários projetos, incluindo objetivos, metas, ações, cronograma e indicadores para avaliação dos resultados.

 

O produto final inclui o estabelecimento de política, metas, objetivos, normas, processos e procedimentos, bem como indicadores de sucesso, à luz daqueles propostos em sistemas de gestão ambiental, tais como a ISO 14000, ou de responsabilidade socioambiental como ISO 26.000 ou SA 8000. Neste momento, a empresa passa a fazer parte da REDE EMPRESA RESPONSÁVEL, estando mais próxima às possibilidades de conquista de selos de certificação.

 

Principais pontos:

 

  • Interação com a comunidade envolvida (funcionários, fornecedores)

  • Definição do escopo e da área de trabalho

  • Levantamento dos dados existentes da área definida

  • Avaliação dos aspectos ambientais

  • Construção de uma base de informação

  • Definição de estratégias, processos e metas

  • Consolidação de parcerias organização – governo – entidades do terceiro setor (cooperativas e ONG’s)

  • Planejamento, desenvolvimento, avaliação e controle

  • Suporte ao projeto

  • Registro dos resultados envolvendo os ganhos econômicos, sociais e ambientais

A consultoria envolve o corpo de funcionários que passam a ser autores do programa, e mantém um vínculo estratégico de gerenciamento e monitoramento dando suporte aos programas e planos voltados ao desenvolvimento integrado e sustentável.

 

Produto gerado: Plano de trabalho, envolvendo fluxogramas.

 

Prazo de realização: 3 meses – observação: esta fase pode acontecer concomitante à fase 2.

falecomigo.png